Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIA IMUNOLÓGICA


A ciência dá seus passos e nos ensina a tomar as velhas vacinas que nos prevenirão de grandes males. E como essas vacinas atuam? na maioria das vezes implantando os próprios vírus enfraquecidos e ao invés de nos tornar doentes, criaremos resistência aos mesmos e assim nos fortaleceremos ao longo da vida com alguns reforços mais.
Até esse ponto nenhuma novidade. Mas quando relaciono a memória imunológica aos problemas ligados a realização de um projeto de software a história é não completamente diferente.
Daí se faz necessário manter um time atualizado, vacinado, capaz de trazer o poder da mitigação das falhas por estar mesclado de experiências. Experiência, leia-se: lições aprendidas com os próprios erros do passado.
Por isso pesa ao bom planejamento uma simples e efetiva lista de riscos conhecidos. E será o conhecimento prévio de tudo que pode virar dinamite que definirá os fatores de sucessos do projeto ou se tudo vai voar alto e sem destino definido. 
A lista de riscos deve colocar em consideração cada item que torcemos sempre por não acontecer. Se acontecer, não resta alternativa senão a tomada de decisão e colocar em ação os valorosos cabelos brancos para efetiva reversão. Sem reversão, risco vira problema. Como uma gripe, se não for tratada corretamente, mata o doente.
Nesta hora, acionam-se os bombeiros. Alguns com habilidade em resolver, mas não autorizados a meter a mão na massa e outros até autorizados, mas sem a menor especialidade e que irão ficar no tratamento superficial, o que todo mundo sabe fazer e que não resolve.
Problema grave é UTI. Em software, UTI é sala de guerra. Pode funcionar, mas é sempre ruim e deixa uma série de seqüelas em todos os envolvidos. A começar pela perda de esperança de no futuro realizar um projeto com aderência ao planejamento sem a necessidade de parar tudo de novo e refazer o que passou como um vírus qualquer, entrou compulsoriamente pelas narinas e pôs todos de cama.
Que o bom software sirva de exemplo e receba o patrocínio necessário para seguir a passos lentos e efetivos, sem o crescimento exponecializado que deixará o seu sistema imunológico fragilizado sem a completude das defesas.
Bem pensado, não faz "K-Bummmmmmm".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária