Pular para o conteúdo principal

ESCADA EM ESCALADA



Parece divertido o uso da escada-rolante no vídeo do Youtube. E é. Pelo volume de postagens, tem quem goste de curtir o risco de ser moído por uma máquina estranha como essa que gira sem sair do lugar.
Nem sempre o uso inusitado é tão (somente) divertido. No último sábado, 01/11/2008, estava eu resolvendo uma série de coisas num shopping de Brasília depois do almoço. Entre tomar um café, fazer umas cópias e acompanhar a última parte do treino de classificação do GP Brasil. Por sinal, um grande treino, com muita emoção e com Massa conquistando a terceira pole seguida. 
O fato é que adoro fórmula 1 e saí da galeteria onde tinha a única TV sintonizada na prova com uma grande expectativa de vitória. Era a certeza de um grande momento. Eu vivia o momento como uma profecia.
Mas a vida continua e eu iria descer para passar na lotérica, pegar um sorvete e pagar o estacionamento para em seguida me encontrar com minha esposa e minha filha. Fazer o de praxe e depois ir ao trabalho, afinal ainda teria uma tarde/noite longa num cinedebate com o filme "A procura da Felicidade" pela luz do Evangelho Segundo o Espiritismo.
A minha cabeça concatenava todas essas ações quando ouço a voz de minha esposa em um acentuado Lá (sustenido). 
Fui ao extremo. Era um grito de desespero, pensei. Dei meia-volta e resolvi subir as escadas para ir ao seu encontro. Seria fácil, se eu não estivesse quase no meio da escada-rolante. Dei uma patinada, bati com o joelho umas duas vezes nos degraus e com relativo esforço cheguei ao topo sem amassar minhas cópias.
Minha mulher assistia a cena e quando nos encontramos ele me disse que só queria dizer um "oi", que segundo o Priberam emprega-se para cumprimentar, chamar, mostrar espanto ou indicar que não se ouviu bem aquilo que foi dito pelo interlocutor.
Passei uns quinze minutos pensando naquele "oi", subindo escada-rolante ao contrário, tropicando e levantando. Daí por diante, seguiu-se um dia de grandes reflexões, pois eu reconhecia que era capaz de fazer muito mais por um "olá".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária