Pular para o conteúdo principal

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento.

Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos.



Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento.

A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta.



Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito.

Se nos limitarmos a esse raciocínio, a visão do atendimento as restrições de Escopo, Tempo, Custo e Qualidade indica que teríamos projetos de sucesso.

E olhando para o contexto das relações da imagem acima vamos observar que a leitura pode ser mais abrangente a partir de uma pequena mudança gráfica. Saem as fronteiras rígidas e entram as interseções, como abaixo.



Nas interseções podemos exemplificar melhor que há coisas particulares entre as áreas de conhecimento além da própria qualidade. Surgem as relações Escopo-Tempo, Tempo-Custo e Custo-Escopo. Essas coisas tem uma ligação muito forte com a Qualidade, que surge ao centro como o elemento que estabelece ou mantém a grande coesão da restrição tripla como estávamos vendo simplesmente no início.

Antes que a gente comece a pensar se é só isso, vamos ao próximo passo. Será que o meu cliente entende desta qualidade e vai se dar por satisfeito com a entrega? E se considerarmos as grandes corporações onde ocorre uma rotatividade e muitas vezes a pessoa a qual terá o papel de atestar a entrega não será a mesma que um dia fez a solicitação do atendimento? Como fica?

Bingo! O sucesso do projeto está ligado a satisfação do cliente. No quadro abaixo a Satisfação do Cliente estaria numa condição interdependente à restrição tripla.



Opa! Mas como ser interdependente?

A questão é que a relação com o planejamento pode estar conforme e o cliente não se sentir satisfeito a conclusão. Da mesma forma poderá estar em inconformidade com as previsões de custos, escopo, prazos ou da própria qualidade e o cliente estar definitivamente feliz.

A charada é facilmente compreendida se aceitarmos os processos naturais de mudança que acontecem a todo momento no Universo. O mundo gira a 1500 km/h e sequer notamos. A gravidade também nos afeta como mais uma de tantas leis naturais, mas quase nunca observamos que as nossas vidas são afetadas. E muito.

Se nossas vidas vão se transformando todo momento, é fato que uma probabilidade muito grande de que as nossas realizações também sejam modificadas. A essa altura do campeonato o meu cliente, que é gente como a gente, já está apto a ser reconhecido como alguém que está em mudança permanente. E suas escolhas para o projeto também estão "pegando fogo".

Tenhamos calma nesta hora. Isso não é o fim. É o começo.

Isso demonstra que são necessárias técnicas de restrição e definições de processos de mudanças para evitar que uma equipe de desenvolvimento não fique dando voltas todos os dias sem saber para onde ir. Assim não.

Vejamos pelo lado mais estratégico. Todos os envolvidos que causam influência positiva no projeto precisam se comunicar mais intensamente e de forma consistente para que o trabalho conquiste seu resultado maior: cliente satisfeito.

Não é para reinventar a roda e nem para que imaginemos tudo o mas que fizermos simplesmente poderá ser destinado a inutilidade ou ao fracasso. Nem pensar. É uma provocação para que percebamos o que está dito em poucas palavras no ditado popular que "o cliente está com a razão".

Se consciente desta prerrogativa, devemos agir para tornar a comunicação mais ágil e os relacionamentos entre as pessoas mais amigáveis. Até mesmo para que a convivência de sol a sol seja agradável e produtiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária