Pular para o conteúdo principal

JOVENS EM PROJETO COOPERATIVO



Jovens de 13 a 21 anos estão envolvidos neste final de ano em um projeto cooperativo para fazer a diferença à algumas famílias. A iniciativa é apoiada pelo Departamento de Infância e Juventude da Federação Espírita Brasileira.
Me envolvi como Evangelizador e Gerente de Projetos para a realização desta grande ação conjunta com os jovens para colocarmos em prática os ensinamentos de Jesus que os mesmos recebem durante a evangelização.
O projeto já passou pela fase de definições das famílias a serem assistidas e do levantamento inicial de dados para que seja promovida uma grande ação no dia 29 de novembro de 2008. 
Trabalho com os jovens de 13 a 14 anos e que estão no apoio a uma família na periferia de Brasília. 
Nossa turma pretende, inclusive, ampliar a casa da família com a construção de um quarto, instalar alguns materiais como pia e caixa dágua, pintar a casa e fazer algumas doações de mantimentos como fraldas e medicamentos. 
No dia 01/11 haverá uma visita para coleta das medidas e neste intervalos alguns jovens estarão empenhados em envolver outras pessoas em colaborar com o projeto principalmente quanto ao apoio para aquisição dos materiais. Caso você se interesse em colaborar, pergunte-me como ou se for abordado por um destes jovens já terá uma idéia da proposta, ficando sua colaboração à escolha.
Na noite do dia 25/10 eles estavam reunidos na Asa Norte de Brasília e foi possível fazer essa fotomontagem. Clique sobre a foto para ampliar.

Comentários

  1. Você acertou em cheio. O mais difícil nesse mundo velho de guerra, é encontrar a paz de espírito. Tenho amigos e parentes muito ricos, abastados de verdade, porém buscam diariamente a pílula da paz interior... Ainda não encontraram e se julgam pessoas infelizes... A receita está contigo, irmão. Parabéns.. Mas, nunca deixe de escrever algumas mal traçadas, ok!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Participe!

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária