Pular para o conteúdo principal

QUANDO É HORA DE TERCEIRIZAR



Existem duas evidências críticas a respeito da terceirização. A falta de tempo ou de conhecimento. As duas são criticas devido aos impactos gerados pela não realização das atividades.

Considere por exemplo um lavador de carros. Por que contratamos? Não sabemos lavar o carro ou não vamos investir nossos ricos minutinhos enfiado na poeira e lama das ferragens?

Isso acontece em todos os níveis. Vamos ao caso de um medico. Se gripamos, vamos ao hospital ou já tomamos providências?

Sei que são muitas questões, mas não importa quem contratamos. Se lavadores de carros, médicos, empregadas domesticas, professores, contadores, garçons, cozinheiros, vigilantes, porteiros, consultores de negócios... qualquer um deles, todos farão parte de nossas vidas na medida em que podemos pagar o preço de não saber fazer ou de não ter tempo para fazer.

O desenvolvimento das pessoas e da sociedade foi ao longo do tempo gerando uma série de facilitadores apoiado no conhecimento e habilidade das próprias pessoas. Uma espécie de cooperação, embora muitas vezes não voluntária e muitas vezes não satisfatória.

Essa evolução tem sido recorrente, agora saindo do meio das pessoas e passando diretamente para as coisas. Temos um mundo de eletricidade ao nosso redor que silenciosamente nos apóia em quase tudo que fazemos e muitas horas nem damos conta do quanto vamos nos tornando dependentes destas pequenas coisas.

Como seria nosso dia sem a energia elétrica, ou até mesmo sem o computador? Para ver este blog, por exemplo, a consulta precisou estar conectada a Internet.

Os facilitadores em geral, absorvem determinadas inteligências que não nos ocupamos mais em pesquisar o sentido original. Quase como um transe vamos nos envolvendo e tomamos como verdade sem entender o motivo de as coisas serem o que são. Já temos tantos profissionais especialistas em coisas que não existiam há dez anos atrás do que todo o resto.

O mundo mudou.

Temos que abrir a visão mais alem para ver o óbvio. Nas grandes cidades os alfaiates foram extintos pelas megastores e modas de massa. O baixo poder de compra, aumento de custo de vida, faz com que a maioria da população use as mesmas coisas. É a mediocrização coletiva, fria e gradual, anestesiando os sentidos da grande massa, que muitas vezes não dá conta de qual é o seu papel na sociedade.

Terceirizamos os profissionais de apoio e de serviço especializado, mas não podemos deixar que os nosso projetos de vida sejam conduzidos alheios a nossa vontade e poder de decisão.

Chega de passar a responsabilidade para quem não tem nada com isso. Pois a razão de não ter tempo ou não ter domínio sobre as nossas existências não se aplica a este caso.

Para quem acredita que pode fazer melhor e manter a linha da vida na construção de um dia-a-dia melhor, já passou da hora de agir.
Retome a consciência sobre o que realmente importa e faça valer a pena cada experiência vivida no aprendizado incessante.

Quanto a contratação de profissionais e software para o trabalho, mantenha o entendimento do quanto é necessário para receber a cobertura adequada e cumprir com as realizações propostas. Afinal, é a priorização do tempo que está em voga. Tempo para fazer e de aprender a fazer. Quem não tem tempo, paga o preço.

É como quem bota o filho na escola ciente de que a escola ensina, mas a nobre tarefa de educar é da própria família.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária