Pular para o conteúdo principal

QUEBRAR GELO NÃO É O SUFICIENTE



Quando usamos a expressão quebrar-gelo vamos direto ao significado popular e quase nunca nos remetemos a origem do termo. Popularmente indica a quebra de um silêncio para a entrada em um assunto importante. Originalmente nos remete aos navios encarregados em desbravar as águas congeladas a permitir que um segundo navio ou mais atravesse o canal gelado sem grandes impactos no transporte de suas cargas.

Quebrar gelo hoje se aplica facilmente a mudança de estado das coisas para a criação de uma nova inercia. É claro que tais mudanças são coordenadas em busca de um determinado resultado.



Esta habilidade é típica dos pastores de ovelhas. Em sua lida diária nos demonstra um dos modelos de gestão mais simples e efetivos. Tangem seus animais a um determinado rumo fazendo inserções de informações por gestos, sons, que ao final produzem o resultado necessário à condução dos animais para um novo pasto ou de volta para o curral.

A quebra da inércia é calculável. Aprendemos tangência (matemática) e podemos até aplicar a formula para dimensionar as entradas e resultados. Bom, mas não é esse ponto. Quero demonstrar que podemos desenvolver a técnica de manipulação de efeitos.



Às vezes uma criança se mantém intensamente na fase de contraditórios. Desobedece a tudo e perde-se o controle sobre ela. Esse é o ponto. Trabalhar as entradas de informação orientadas ao resultado desejado no todo. Se ela desobedece, diga o contrário que deseja e ela fará o que você deseja.

Desta forma promovemos a grande mudança verdadeira em pequenos ajustes simples, renovando os processos produtivos, sempre com foco no objetivo de nossa realização. E, é claro, somente quebrar o gelo não será o suficiente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária