Pular para o conteúdo principal

RISCOS, NECESSIDADES E POSSIBILIDADES



Não canso de lembrar a célebre frase de Luciano Pires em que "não tropeçamos nas montanhas". Acho por demais reflexiva e por isso compartilho e recompartilho sempre que posso.
Então vamos aos primeiros detalhes. Onde tropeçamos? A resposta está nas coisas mais simples e mais próximas de nós. Um pedregulho, uma pequena pedra, um grão ignorado.
Não tropeçamos nas coisas, tropeçamos na nossa atitude em deixar de perceber uma pequena porção de qualquer coisa. É a negação do óbvio. Displicência opcional.
No dia-a-dia desenvolvemos o interesse a maior por algumas coisas e vamos deixando de lado outras. E ainda nem consideramos outras mais, fazendo o nosso mundo uma complexo pessoal de nossas escolhas.
Estarão espelhadas todas as fragilidades e virtudes que existem em nós, frutos de nossas escolhas de aprendizado.



Eis que no mundo corporativo não é diferente. Existe um ser vivo, que pensa pela capacidade da diretoria e atua pela força de seus trabalhadores. Empresas ganham mais quando conseguem desenvolver boas oportunidades e são punidas sumariamente quando não vivem um controle de ações contra-riscos.
Risco neste caso é toda oportunidade de acontecer algo. Bom ou ruim. Para complementar o caso vamos tratar o exemplo de que está ligado a chance de dar errado, pois são absurdamente maiores do que as de dar certo.
Pense na sua casa. Faça uma faxina, organize-a. Agora retome seu uso normal e perceberá que ela começará naturalmente a desarrumar. Se nada for mexido, ainda assim haverá uma leve camada de poeira que irá sedimendar sobre os móveis. Por fim nos caberá entender que a bagunça é inerente, como uma característica, e não devemos pensar isso como um problema. É o ponto de partida para a criação de um modelo organizacional que aplique a rotina de limpeza e reorganização ao ponto de manter o ambiente de acordo com as suas necessidades e possibilidades.
Pessoas e empresas (que são feitas por pessoas) teriam melhor controle de suas capacidades, rentabilizando melhor seus processos, quando reconhecem suas reais necessidades e possibilidades. É ponto base para evolução do conhecimento ligado diretamente as suas realizações.

Voltemos ao início do texto como se estivéssemos em uma caminhada. Daremos uma pausa e lançaremos o olhar sobre as pedrinhas em nossa volta. Elas estão alí fazendo o nosso caminho, de forma parceira e descompromissada. Cuidemos de não mais esquecermos delas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária