Pular para o conteúdo principal

FOCO NO FOCO DO CLIENTE




Pensamos facilmente que só tem cliente se for um lojista, empresário ou industrial. Não é bem assim. Todos nós temos clientes. Possuímos alguém a quem correspondemos com nossas ações.

- Qual é o propósito?
- Qual o interesse de meu cliente em suas realizações?
- Quem é o meu cliente?

Os alunos são clientes dos professores por comprarem a facilidade do entendimento através das técnicas didáticas. É papel do professor vender cada vez melhor os seus serviços, buscando novos desafios para clientes com maior criticidade de interesses.

Da mesma forma um funcionário público de uma área de manutenção predial tem como cliente todos os demais funcionários e eventuais visitantes das locações da organização. É função deste prestar um serviço mais caprichoso, com atenção às necessidades dos clientes, desde uma simples troca de lâmpada até a regulagem ideal do sistema de refrigeração.

Se falarmos de um entregador de pizza também extrairemos as mesmas situações em que o fornecedor atua diretamente ligado ao atendimento à satisfação do cliente. Não basta fisgá-lo, é preciso mantê-lo para poder almejar o progresso com novos e maiores clientes, todos juntos.

Finalmente o que passa a ganhar importância é a necessidade em perceber e atuar no atendimento aos propósitos do cliente.

O cliente enquanto pessoa física ou jurídica tem seus valores. Muitos até destacam Missão e Visão em suas salas de recepção ou sítios pela Internet. Cabe uma leitura no que esse cliente se projeta em suas palavras.

- Que ele quer ser hoje?
- Que ele espera ser no futuro?
- Por que ele quer ser isso?

No fundo entenderemos qual o propósito de sua atuação no mercado, na organização, entidade filantrópica, clube esportivo e muito mais. Muitas vezes a instituição não existe somente para ganhar dinheiro. Dinheiro é importante, mas não é tudo. Metade das empresas no Brasil fecham no primeiro ano e a maioria delas está ligada ao fato de não se planejarem adequadamente para entender qual era o seu propósito. A falha antes de ser um problema financeiro estava na falta de objetividade da compreensão de seu papel na sociedade.

Voltemos para o cliente e suas necessidades. Alguém com 70 anos em 2010 certamente se surpreendeu quando assistiu um programa em branco e preto pela TV em 1950, ou com o advento da geladeira movida à gás e outras coisas que nem damos conta como surgiram. Antes de tais invenções, qual era a necessidade deste cliente? Talvez desejasse poder visualizar a novela que o encantava pelo rádio ou até mesmo aumentar o tempo de conservação de seus alimentos. Mas será mesmo isso?

De qualquer forma os jovens hoje em dia surgem na alta sociedade e nas favelas cercado de TVs e geladeiras como se habitassem de modo tão comum como as próprias paredes. É inegável que se renova o sentido das necessidades, dos interesses pessoais e da família. Da mesma forma nas organizações.

Muitas vezes fazemos as coisas sem saber por que é preciso deste resultado ou de outro. Inchamos a máquina com processos que não sabemos o motivo pelo qual deva ser cumprido e no fim temos sempre uma brutal burocracia sem propósitos claros e sem realizações.

Para tentar ilustrar melhor este problema, cabe sempre uma pausa para definições de pontos de chegada. São os objetivos que pautarão o escopo de trabalho. Não faremos iniciativas sem entender qual o resultado esperamos dela. E nem de forma alheia ao conhecimento dos participantes e demais interessados nestas ações, produtos e resultados.

Se a minha pessoa tem propósitos e meu cliente também tem é preciso alinhamento de parte a parte para a consolidação de uma parceria de sucesso. Antes de tudo, não existirá fornecedor sem cliente. O grande objetivo é a manutenção da força da relação que se move ao longo do tempo, renovando-se nas pequenas entregas de serviços que se apóiam pelos valores intangíveis do cliente.

Fica a dica para que nos planejemos a partir do ponto como nosso cliente pensaria, para poder dar-lhe alternativas de crescimento e progresso rumo aos seus propósitos. Há tendência de permanecer juntos por mais e maiores realizações.

O laboratório desta proposta já funciona em nós desde as pequenas amizades na infância aos nossos relacionamentos familiares. Trate-os como gostaria que o tratassem e tudo o mais se harmonizará. Eis um sucesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária