Pular para o conteúdo principal

MATURIDADE EM GERÊNCIA DE PROJETOS



Chegou a hora. Roupa limpa, carro abastecido, celular no bolso, já está devidamente preparado para poder ir ao Shopping ou ao Supermercado. Em lugares como estes se compra de quase tudo, nas mais variadas formas de fabricação que o mundo globalizado é capaz de produzir.

Podemos comprar um guarda-chuva chinês ou uma televisão fabricada em Xangai ou produtos esportivos como camisa, meias, bolas de marcas americanas que foram produzidas na China. De qualquer forma, podemos comprar coisas pensadas na Europa ou Estados Unidos que se formam através da mão-de-obra asiática na transformação da matéria-prima Brasileira.

Isso é uma amostra do orgulho da globalization. E assim vamos nós.

Mas como o consumismo se enquadra dentro do contexto da globalização, quando passa a ser comum pensamos que a formação das pessoas perde o sentido de seu valor no ser beneficiário e passa a ter um valor de prateleira. Dia-a-dia milhares de pessoas são conduzidas ao conhecimento sem saber com ainda mais força, mas ainda incapazes de concatenar claramente a importância de cada informação que foi dirigida.

Se o conhecimento e o saber já complicam as mentes dos seres globais, o que diremos mais ao incitar uma discussão sobre a maturidade? Será o fim?

Observemos que há um indicativo de que somente após a compreensão da matéria e respectivo relacionamento com o contexto das situações reais, um sujeito, experimentando e avaliando repetidas vezes, poderia ser iniciado nos processos de ganho de maturidade. Deste ponto de vista, podemos expor ainda que a maturidade é um bem de valor intransferível que se aprende em conjunto com outras pessoas.

É fácil estudar a situação como paradoxo ou contra-senso, despejar um fretamento de risadas e depois deixar tudo como está, tomando de volta o bonezinho de Maria-vai-com-as-outras e conduzindo sua anencefalia em paz.

O problema da falta de maturidade começa e termina na falta de oportunidade. Não da empresas, incapazes de confiar nos seus servidores que foram formados pelos seus profissionais do alto escalão, mas dos próprios empregados que não se respeitam e não confiam em suas capacidades de realização, investindo na perda moral de sua vontade-própria de seu desenvolvimento e assumindo que o sucesso será resolvido por acaso.

Hoje em dia muitos incapazes, desmotivados e altamente inseguros tem sido submetidos as tarefas mais criticas do gerenciamento de projetos profissional. É uma tristeza. E cada vez pior, por perderem as referências do bom exemplo e se sentirem limitados para mudar a situação. Não seria demais pensar que se fosse aberto um quiosque no meio de uma rodoviária com uma placa “compre aqui – maturidade em gerência de projetos” o negócio haveria de receber um volume considerável de interessados em busca de promoção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária