Pular para o conteúdo principal

TODO ERRO É O HUMANO, MAS ATÉ QUANDO?


Eis o ser humano, agente do progresso e o único com inteligência suficiente para colocar tudo a perder.

É de fato simples de entender. O homem é o único ser capaz de destruir todo planeta com um só ataque. Um clique. Pow! Ninguém mais restará para contar a história.

Parece um pouco de exagero, mas é por uma boa causa. E precisamos pautar esta conversa em quanto há tempo. Vejamos: se somos capazes de por tudo a perder é por que temos uma grande capacidade ao alcance. Esse potencial está em nossa energia mais simples que nasce nas ideias e segue para o pensamento, raciocínio até o movimento dos músculos e ossos. São as nossas ações, todos os dias. Para a paz ou para a guerra. Para qualquer coisa a nossa escolha.

Mas será que, ao sabermos de uma característica tão humana como esta, poderemos evitar cometer erros? Sim ou não? Vamos supor que seja a resposta mais simples.

Se colocarmos como exemplo um time de futebol, que se prepara longamente para enfrentar o adversário no jogo do final de semana, ainda assim será incapaz de conquistar tal certeza. O adversário influenciará suas escolhas todo o tempo, anulando seus acertos, buscando distraí-lo e derrotá-lo, tal como uma reação em sentido contrário, mas sem qualquer controle sobre a força aplicada.

O futebol nos exemplifica o que acontecem nos expedientes da lida diária. Muitas vezes o adversário é um concorrente que busca mais espaço no mercado, pode ainda ser um colega de trabalho ambicioso que busca espaço de crescimento nos erros dos demais colegas. Até esse ponto acredito que ainda não temos um problema crítico. São apenas características do contexto evolutivo que estamos inseridos.

Problema pra valer é quando o adversário está no desconhecimento. Quando os colaboradores estão aparentemente preparados e com alguma carga de boa vontade, mas faltam informações elementares para o cumprimento das obrigações, do trabalho efetivo, das atividades legais, de tudo o que marcaria o caminho de todos pelo sucesso.

Nestas horas vemos a importância de uma ação gerencial para sensibilização dos envolvidos. Sensibilizar para acordar. Um despertar crítico que faça o grupo chacoalhar e perceber seus hiatos de conhecimento. Reconhecer que não há trabalho sem estudo permanente e que os frutos são para hoje, amanhã e sempre.
É a pauta da sustentabilidade inteligente. A manutenção do todo.

Somos agentes de cada item que compõe o nosso futuro como os elementos dissipados na natureza. Ora concentrados, ora combinados com outros elementos, ora em isolamento ou renovação. De uma forma ou de outra, cada vez mais somos menos casuais e mais explicáveis. Podemos dar sentido as coisas, mesmo com explicações não o suficientemente esgotadas em termos controversos.

Que fica ao ser humano? A origem de todos os erros? Também não! Isso é simples culpabilidade. Mas para o contexto atual pode ser o incentivo adequado para a mudança de paradigma. É preciso pensar mais sobre o quanto de coisas incompletas executamos e que com o mínimo de esforço seremos capazes de nos melhorar para o benefício de tantos outros seres humanos tanto quanto como nós.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária