Pular para o conteúdo principal

OS BRASILEIROS RECLAMAM DE QUÊ, AFINAL?



Este post poderia ser tratado diretamente como um espelho da consciência. Acabei de receber por e-mail de um amigo, que certamente já vem retransmitindo de outros e que venho aqui publicar.

Sei que certamente nos encontraremos em algumas das observações abaixo, mas é sempre hora de refletir e melhorar-se.

Veja tudo como uma grande oportunidade para despertar para um novo mundo que será construído com muito trabalho e esforço, corações dedicados e um imenso suor da felicidade no bem.

Boa viagem!



Os brasileiros reclamam de quê, afinal?

- Falam no celular enquanto dirigem;

- Trafegam pela direita nos acostamentos num congestionamento;

- Param em filas duplas, triplas em frente às escolas;

- Saqueiam cargas de veículos acidentados nas estradas;

- Estacionam nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas;

- Estacionam em vagas exclusivas para deficientes;

- Subornam ou tentam subornar quando são pegos cometendo infração;

- Trocam votos por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, dentadura;

- Violam a lei do silêncio;

- Dirigem após consumirem bebida alcóolica;

- Furam filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas;

- Espalham mesas e churrasqueiras nas calçadas;

- Pegam atestados médicos sem estar doentes, só para faltar ao trabalho;

- Fazem gato de luz, de água, TV a cabo e banda-larga;

- Registram imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos;

- Compram recibos para abatê-los na declaração do imposto de renda;

- Mudam a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas;

- Quando viajam a serviço pela empresa, se o almoço custou 10 pede nota de 20;

- Comercializam objetos doados nessas campanhas de catástrofes;

- Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado;

- Compram produtos piratas com a plena consciência de que são piratas;

- Substituem o catalisador do carro por um que só tem a casca...

- Diminuem a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem;

- Emplacam o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA;

- Freqüentam os caça-níqueis e fazem uma fezinha no jogo de bicho;

- Levam das empresas onde trabalham, pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis... como se isso não fosse furto;

- Comercializam os vales transportes e vale refeição que recebem das empresas onde trabalham;

- Falsificam tudo, tudo mesmo... só não falsificam aquilo que ainda não foi inventado...

- Quando voltam do exterior, nunca falam a verdade quando o fiscal pergunta o que trazem na bagagem...

- Quando encontram algum objeto perdido, a maioria não devolve;

- etc., etc., etc...

E querem que os políticos sejam honestos...
Estes políticos que aí estão não são estrangeiros...
Saíram do meio desse mesmo povo.

Precisamos mudar, urgentemente!...

Comentários

  1. Atila,
    como é triste e perfeito o seu texto, o governo é a imagem dos que o elegeram, nós fazemos tudo isso ou ao menos parte disso, sempre temos um jeitinho criativo e errado para tudo e depois, chocados com escândalos de semelhantes que tem um poder a mais.
    Realmente o cenário precisa mudar, mas a revolução terá de partir de dentro de nós.
    grande abraço e parabéns.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Participe!

Postagens mais visitadas deste blog

OS 7 PASSOS PARA UMA REUNIÃO PRODUTIVA

Compartilho com colegas de trabalho, alunos e familiares as mesmas dificuldades em tornar as reuniões profissionais, pessoais e acadêmicas mais produtivas. Ocorre quase sempre que falta um ar de satisfação coletivo, rastros infinitos de que o encontro não passou de perda de tempo e que apareceram mais problemas do que propostas de solução. Foi pensando em conquistar a sensação que o trabalho realizado na reunião produziu os frutos desejados que aceitei o desafio em propor um modelo que tornasse este glorioso momento em algo positivo. Extrair visão de aprendizado para apoiar a continuidade dos serviços e o que mais possamos tratar durante o evento. O roteiro propõe os seguintes passos: 1. Divulgação prévia da pauta; 2. Preparação para a reunião; 3. Executar o que foi planejado pela ordem; 4. Validar as resoluções item por item durante a reunião; 5. Finalizar a reunião no horário acordado; 6. Assinar a ata durante a reunião e; 7. Agradecer as colaborações aos participantes.

RESTRIÇÃO TRIPLA É SÓ PARA COMEÇAR

Qualquer coisa que resolvemos fazer na vida com razoável controle na avaliação do sucesso da ação estará de alguma forma ligado a uma definição de entregáveis, um espaço de tempo para realização e uma determinada quantidade de dinheiro para o investimento. Daí derivam-se Escopo, Tempo e Custo, conhecidas como restrição tripla na gerência de projetos. Esse conceito é fortemente difundido pelo PMI, organização que mantém um acervo de técnicas para gerenciamento. A tradicional restrição tripla tem sido amplamente divulgada também considerando as necessidades da qualidade. Afinal, a conformidade entre o planejamento e a execução forneceria ótimos parâmetros para registro se o trabalho aconteceu de forma correta. Após observar o nível da importância da qualidade nesse contexto podemos refletir sobre se é este o final da discussão. Muita gente boa já considera que não, pois é bem possível que mesmo que haja alta conformidade na realização o cliente não fique satisfeito. Se nos limi

UMA TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Até mesmo uma simples flor perdida Em um jardim qualquer abandonado Vai ter um quê especial e encantado Por semear a essência para nova vida É um jogo de chegadas e partidas Um inseto, um pássaro ou o vento São ferramentas desse divino movimento  Quase nunca lembradas ou conhecidas De fato a flor nos ensina por essência Que a vida surge em ato de paciência  E uma colaboração mútua e voluntária  Em cada esquina um novo broto belo E seus botões rosa, branco ou amarelo Numa permanente transição planetária